terça-feira, 22 de abril de 2014

coisas de abril

Enquanto escuto Grandola Vila Morena, fico pensando que no fim, no fundo, continuo muito parecida com a adolescente que eu fui.

Continuo gostando e criticando a cultura pop. Continuo discutindo feminismo e batendo contra o sexismo. Continuo lutando por uma arte que seja acessível. Continuo fumando para acalmar a inquietude, e sofrendo por sentir que nunca faço o suficiente. Continuo acreditando que só a Anarquia poderá nos salvar de nos destruirmos.

Continuo acreditando que a fé é uma intoxicação mística, e que nada é mais sagrado do que o que está aqui, bem diante dos nossos olhos.

Continuo tentando acreditar.

A cada dia eu penso que não dá mais. Que não aguento mais bater na ponta da faca, que o sangue que correu já foi o bastante. Que vou desistir da escola pública, do magistério. Que a violência venceu a poesia, e que nada será o bastante.

Então algo acontece. Uma criança em algum lugar nasce com a dignidade de um parto que não foi roubado. Uma menina ousa acreditar que não, ela não tem que dar satisfações a ninguém. Uma pessoa risca poesia na porta de um banheiro público. Alguém assiste um filme e foge para assistir o por do sol cair atrás da cidade. Alguém questiona o destino de uma obra de arte pública que foi arrancada.

E eu quase ouso acreditar de novo.

Talvez a violência tenha mesmo vencido a poesia. Mas talvez não.

Nenhum comentário: