segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Lan�amento da Revista Laborat�rio de Po�ticas 5 e 6

Tem material meu sendo lan�ado! Sei que Diadema n�o � o lugar mais f�cil para chegar, mas fica o convite a todos =)

3 comentários:

Edson Bueno de Camargo disse...

Eu fui e foi muito bom, o pessoal de Diadema está fazendo uma ótima revista. A escrita da Sarah só enriqueceu mais.

Docil 43 disse...

O governo também quer criminalizar a prática de pais amorosos disciplinarem os filhos. Quanto dinheiro, Filhote de Lua, deverá ser gasto para a construção de orfanatos para crianças cujos pais forem presos pelo “crime” de educar os filhos em casa ou por fazerem uso de seu tradicional direito de disciplinar e corrigir fisicamente a desobediência dos filhos?
Se até pais e mães inocentes estão sendo condenados, por que indivíduos culpados não podem ser condenados?
Se uma mãe mata uma criança de seis anos, ou mata outro adulto, deveria o Estado poupá-la só porque ela tem outros filhos para criar?
No caso em que uma mãe matou deliberadamente seu bebê em gestação, que chances os outros filhos dessa mulher terão de ter uma criação psicologicamente saudável e sem traumas?
Não é o ódio que está motivando o presidente do Irã a fabricar armas nucleares para destruir Israel? Ele pouco se importa se os judeus são seres humanos ou não. De forma igual, os defensores do aborto pouco se importam se os bebês em gestação são seres humanos ou não. O ódio, para eles, é tudo.
Os nazistas queriam resolver o seu “problema”. O presidente do Irã quer resolver o seu “problema”. Os defensores do aborto querem resolver o seu “problema”. A propaganda é diferente, mas o resultado é o mesmo.
Na Alemanha nazista, governo e mídia andavam de mãos dadas com a idéia de que os “indesejáveis” judeus eram o problema. No Brasil moderno, governo e mídia andam de mãos dadas com a idéia de que os “indesejáveis” bebês em gestação são o problema.
Como seguidor de Jesus Cristo e sua ética, na Alemanha nazista eu defenderia os “indesejáveis” judeus do mesmo jeito que defendo hoje os “indesejáveis” bebês em gestação. E mesmo diante do extremo ódio e irracionalidade de muitas nações contra Israel, eu ouso defender o direito do “indesejável” Israel à existência, por causa das promessas de Deus a Abraão, Isaque e Jacó.
Filhote de Lua, o “problema” não é o judeu, nem o bebê em gestação. O problema é a falta de ética verdadeira — a mesma ética que dirigiu cristãos a abrigarem e esconderem judeus dos nazistas, a mesma ética que hoje os leva a defender o direito à vida dos bebês em gestação contra as propagandas que defendem os Filhotes de Lua do aborto.

Filhote de Lua disse...

Cristãos deveriam saber que de acordo com Santo Agostinho a vida não existe no princípio da gravidez e portanto o aborto no primeiro trimestre não é crime dentro de uma ótica cristã. Passar bem.

E qualquer pessoa bem educada deveria saber que comentário avulso no blog alheio é coisa de gente sem nada melhor pra fazer.